IDeA

Educação, pobreza e desigualdades

Maria Alice Nogueira, Tânia F. Resende e Viviane Coelho C. Ramos

Esta publicação é parte dos resultados de um trabalho de pesquisa desenvolvido pelo Observatório Sociológico Família-Escola (OSFE), da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), no âmbito do projeto Rede de Grupos de Pesquisa em Educação e Desigualdades, fomentado pela Fundação Tide Setubal. Seu objetivo é o de propiciar – a pesquisadores, estudantes, gestores, profissionais do terceiro setor e público em geral – um diretório de estudos que focaliza as relações entre educação, pobreza e desigualdades, de modo a estimular ou colaborar com pesquisas sobre o tema, bem como contribuir para a reflexão sobre políticas públicas e iniciativas da sociedade civil nessa área.

Foi realizado um levantamento de obras em três línguas (inglês, francês e português) e em diferentes bancos de dados. Em inglês, a seleção dos textos foi feita nos bancos JStore e ERIC. No que concerne à língua francesa, foram pesquisados os bancos Cairn, Persée e Érudit. Em português, a pesquisa contemplou os seguintes periódicos: Cadernos de Pesquisa; Revista Brasileira de Educação; Revista Dados; Revista Brasileira de Sociologia; Educação em Revista; Estudos em Avaliação Educacional; Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação; Educar em Revista (dossiê “Desigualdades educacionais e pobreza”); Em Aberto (dossiê “Educação, pobreza e desigualdade social”). Além disso, foram incluídos relatórios, realizados por ONGs de diferentes países, que abordam programas de intervenção no âmbito da relação entre educação escolar e vulnerabilidade social. Os textos foram selecionados empregando-se, num primeiro momento, as seguintes palavras-chave: “pobreza”, “desigualdade”, “educação primária”, “sucesso escolar” e “escolas urbanas”. Secundariamente, quando necessário, utilizaram-se como filtros as palavras-chave “leitura” e “matemática”.

Assim, partindo de um universo original de aproximadamente 7 mil títulos, foi feita uma seleção inicial de cerca de 280 trabalhos, a qual, submetida a um primeiro tratamento analítico, resultou em um corpus de 180 textos – que são os efetivamente elencados nesta publicação –, oriundos de centros de pesquisa e organizações da sociedade civil de um número significativo de países, abordando realidades educacionais diversificadas. O tratamento analítico mais detalhado desse corpus resultou em uma bibliografia crítica organizada em oito eixos temáticos. Os eixos foram concebidos a partir da identificação de grandes temas do debate internacional, visando facilitar o trato com os textos selecionados. Com o intuito de orientar a leitura foi construído, para cada eixo, um comentário introdutório destacando questões relevantes/emergentes, bem como estabelecendo relações entre diferentes subtemas, países e línguas. Os eixos são:

  1. Desigualdades escolares: comparações internacionais;
  2. Desigualdades escolares: diagnósticos e interpretações;
  3. Políticas de prevenção e combate à infrequência e à evasão escolar;
  4. Efeito-território e experiências de parceria escola-família-comunidade;
  5. Uso do tempo extraescolar (diagnósticos e intervenções);
  6. Educação infantil;
  7. Mobilização de recursos humanos;
  8. Currículo e interações na escola.

Com base no critério do grau de pertinência ao tema, cada eixo foi organizado em bibliografia principal e bibliografia secundária. Para os textos da bibliografia principal de cada eixo, é apresentada uma ficha bibliográfica completa, incluindo: referência completa, link da publicação (quando disponível), resumo na língua original (e resumo traduzido para o português, no caso de textos estrangeiros), local da pesquisa. Já no caso da bibliografia secundária, são apresentadas as referências completas de cada texto, o link da publicação (quando disponível) e o resumo na língua original. Em todos os casos, os trabalhos são listados por língua e por ordem alfabética de sobrenome do primeiro autor. Trabalhos com conteúdo mais abrangente aparecem em mais de um eixo.

Boa leitura!

Ler pesquisa